Apresentação dos Dados Estatísticos relativos à Atividade da ADoP em 2013

O Sr. Secretário de Estado do Desporto e Juventude presidiu à sessão pública de apresentação dos dados estatísticos da ADoP em 2013

12 de maio de 2014


Numa sessão pública presidida por Sua Excelência o Secretário de Estado do Desporto e Juventude, Dr. Emídio Guerreiro,  foram hoje apresentados os dados estatísticos relativos à atividade da Autoridade Antidopagem de Portugal (ADoP) em 2013.

O Presidente da ADoP, Prof. Dr. Luís Horta, destacou a continuação da implementação pela ADoP da estratégia de Controlos Inteligentes, que se carateriza pela realização de controlos fora de competição em momentos considerados de maior risco e envolvendo tipos de amostras (urina e/ou sangue) e de menus de substâncias a detetar (EPO, CERA, hormona do crescimento) ou metodologias de análise (por exemplo o Passaporte Biológico ou a deteção por Isotope Ratio Mass Spectrometry - IRMS) adequadas a cada caso específico. No total, foi recolhido um número inferior de amostras relativamente a 2012, fruto de uma diminuição dos controlos de dopagem em competição, apesar de se ter verificado um aumento dos controlos de dopagem fora de competição e da recolha de amostras de sangue, dando concretização ao princípio “Nem sempre mais é melhor”.

Quanto à implementação da estratégia do Passaporte Biológico, o ano de 2013 permitiu encerrar do ponto de vista disciplinar os primeiros 6 casos de violações de normas antidopagem por aquela estratégia, o que demonstrou a eficácia e a solidez deste programa, colocando a ADoP num lugar de liderança relativamente à implementação do Passaporte Biológico a nível mundial.

Relativamente às violações de normas antidopagem, no decurso de 2013, a ADoP registou um total de 35 violações de normas antidopagem, em 19 modalidades distintas, enquanto que no ano de 2012 se haviam verificado 88 violações, em 30 modalidades.

Esta diminuição resultou da significativa diminuição de violações associadas ao Sistema de Localização (menos 16 violações do que em 2012) e também da significativa diminuição de violações por deteção de canabinóides (menos 30 violações do que em 2012), a percentagem de violações face ao número total de controlos de dopagem realizados baixou para um valor de 1,03%.

Se a diminuição de violações relacionadas com o Sistema de Localização pode ser explicada pelo resultado do esforço desenvolvido pela ADoP, ao nível da sua campanha de informação e educação, para uma melhor sensibilização dos praticantes desportivos e equipas inseridas no grupo alvo para o cumprimento das obrigações que resultam da inclusão nesse sistema, já a diminuição do número de violações por canabinóides resulta da decisão da AMA de alterar o limite de deteção para essa substância de 15 ng/mL para 150 ng/mL.

No entanto, mesmo levando em consideração a diminuição substancial das violações relacionadas com o Sistema de Localização e com a deteção de canabinóides, houve menos 7 violações de normas antidopagem do que em 2012, o que demonstra que a dissuasão provocada por controlos de dopagem inteligentes começou a dar os seus frutos. Esta constatação é reforçada pelo facto de terem existido em 2013 6 violações de normas antidopagem relacionadas com a estratégia do Passaporte Biológico, quando em 2012 não tínhamos tido nenhuma violação de norma antidopagem por essa estratégia.

Em 2013, foi lançado o sítio da ADoP na Internet, www.ADoP.pt . O novo sítio na Internet facilita a organização e a permanente atualização da informação relativa às diferentes vertentes da atividade da ADoP, dando o devido destaque às matérias que mais frequentemente são pesquisadas pelos seus utilizadores, como as relativas às solicitações de AUT, ao Sistema de Localização da ADoP ou às substâncias e métodos proibidos.

Foi também destacada a cooperação internacional em 2013. Foi referida a colaboração da
ADoP com outras organizações congéneres, designadamente com as agências nacionais antidopagem da Colômbia, de Espanha e da Roménia relativamente ao Passaporte Biológico, bem como com a Autoridade Brasileira de Controlo de Dopagem (ABCD), colaborando na sua implementação. Destacou-se também a realização dos primeiros controlos de dopagem na Guiné-Bissau, tendo a ADoP assegurado a formação dos primeiros oficiais de controlo de dopagem nesse país.

Em 2013, a ADoP colaborou também com múltiplas organizações antidopagem internacionais, federações internacionais e organizações nacionais antidopagem, na realização de controlos de dopagem fora de competição a praticantes desportivos filiados nessas federações ou enquadrados por essas organizações nacionais antidopagem, que se encontravam a treinar em Portugal. Foram também realizados controlos de dopagem em diversos eventos internacionais realizados em Portugal, na sequência de acordos estabelecidos entre o Instituto Português do Desporto e Juventude, IPDJ, IP, e diversas federações internacionais.

Em 2013, o financiamento da ADoP pelo IPDJ, IP foi muito semelhante ao verificado em 2012, tendo-se verificado um aumento dos custos relacionados com a atividade do Laboratório de Análises de Dopagem (LAD), de modo a assegurar as exigências da AMA em termos de maior sensibilidade dos equipamentos analíticos, através do aluguer de dois equipamentos. No entanto, relativamente aos custos dos restantes serviços da ADoP - ESPAD e Gabinete Jurídico – verificou-se uma diminuição dos mesmos, principalmente quanto aos inerentes à realização de controlos de dopagem o que, associado a um aumento do número de controlos inteligentes, demonstra um aumento significativo da eficiência da ADoP.

Nesta sessão pública, a ADoP distinguiu com o galardão “Parceiro do Ano” a empresa a Simposium Digital Healthcare, empresa responsável pela produção e distribuição do Simposium Terapêutico®. Este galardão, que foi entregue ao Dr. Paulo Romeiro, Diretor-Geral da Simposium Digital Healthcare, e pretende reconhecer a excelente colaboração que esta empresa tem mantido com a luta contra a dopagem em Portugal desde há vários anos. A Simposium Digital Healthcare é responsável pela publicação do Guia Prático sobre a Luta contra a Dopagem, já na sua 5.ª edição, e encarrega-se também de divulgar a Lista de Substâncias e Métodos Proibidos e outra documentação relevante no Simpósium Terapêutico.

Em 2014, esta colaboração permitiu a disponibilização através do sítio da ADoP na Internet do motor de busca "JOGO LIMPO Medicamentos e Desporto”, que permite identificar quais são os medicamentos comercializados em Portugal que contêm substâncias proibidas no desporto.

Foi também apresentada a versão para 2014 do referido Guia Prático, que conta nesta edição com uma introdução redigida pelo Presidente da Comissão de Atletas Olímpicos (CAO), Dr. João Neto.

Pode consultar os dados estatísticos relativos à atividade da ADoP em 2013, bem como um documento descritivo relativo aos mesmos, aqui.

 

e2013.jpg

Todas as notícias