A ADoP torna pública posição em relação à revogação da acreditação do Laboratório de Análises de Dopagem decidida pela Comissão Executiva da Agência Mundial Antidopagem (AMA).

30 de outubro de 2018

COMUNICADO

 

A ADoP torna pública posição em relação à revogação da acreditação do Laboratório de Análises de Dopagem decidida pela Comissão Executiva da Agência Mundial Antidopagem (AMA) no comunicado que se segue:

A ADoP tomou conhecimento da decisão Executiva da Agência Mundial Antidopagem (AMA), no passado dia 25 de outubro, de revogar a acreditação do Laboratório de Análises de Dopagem (LAD) de Portugal.

Em função da sensibilidade deste assunto e porque conhecemos bem o meio onde nos movemos, esperamos tranquilamente os comunicados das várias entidades desportivas acerca deste assunto, porque de ponderação se faz a decisão. E ponderadamente e racionalmente, somos levados em face do que temos lido e ouvido, à presente comunicação.

O Laboratório de Análises de Dopagem já não se encontrava na esfera e tutela da ADoP, desde 21 de janeiro de 2016, por Despacho do Senhor Secretário de Estado da altura, Drº. João Wengorovius Meneses, na medida em que a Agência Mundial Antidopagem não permite a junção das autoridades e dos laboratórios, ou seja, não permite que um laboratório seja dependente, seja a que título for, da autoridade antidopagem respetiva. Desde forma, retificou-se um erro, que desde sempre referimos e relativamente ao qual nunca compreendemos as suas causas que se desejam legais e idóneas e que deram origem ao mesmo.

Desde essa altura, está na esfera e tutela do Conselho Diretivo do IPDJ IP.

Por sua vez, estando completamente autónoma e distanciada do Laboratório de Análises de Dopagem, a ADoP – Autoridade Antidopagem de Portugal -, tem vindo a desenvolver o seu trabalho no domínio da prevenção e combate à dopagem, com orientações estratégicas, políticas, técnicas e operacionais que são consistentes com as normas e referências internacionais.

Só assim se compreende, que após a primeira auditoria a que esta autoridade foi sujeita desde sempre pela Agência Mundial Antidopagem, nos passados dias 31 de janeiro e 1 de fevereiro, esta entidade fiscalizadora mundial tenha dado os parabéns à nossa autoridade por fazermos tanto, com tão pouco.

Esta conclusão pode ser confirmada através da consulta dos resultados da ADoP no próprio site da Agência Mundial Antidopagem, através do link:

https://www.wadaama.org/sites/default/files/resources/files/2017_antidoping_testing_figures_en_0.pdf

Nunca a ADoP se guindou na sua história a tais patamares, que apenas são negados por quem com maldade e visando eventualmente interesses obscuros, nega as evidências demonstradas pela própria Agência Mundial Antidopagem.

A ADoP segue as linhas estruturais de orientação pautadas pela Agência Mundial Antidopagem e não permite que pessoas ou instituições controlem de fora para dentro o trabalho desta Autoridade, com a eventual proposição de realização de estratégias de controlos, à medida dos seus interesses corporativos e ou individuais.

Muito nos satisfaria saber que as demais entidades do desporto, nomeadamente privadas, sendo ou não simples associações civis, sem fins lucrativos, mas que possuam personalidade jurídica e natureza desportiva, na esfera do desporto ou com missão nestas áreas, se pautassem pelos mesmos valores, princípios, regras e rigor, dando transparência e prestando contas do financiamento público obtido, nomeadamente através de contratos-programa para as suas respetivas atividades e programas; bem como, tornando claras as estratégias, metas e objetivos, no presente ciclo olímpico.

A politica técnica para o sector, porque apenas desta podemos falar, tem sido a adequada em função das determinações da Agência Mundial Antidopagem. Como também é adequada a seleção de recursos humanos para as áreas de responsabilidade estratégica operacional que desenvolvemos. A luta contra a dopagem é hoje, a par do que foi ontem, um dos sectores mais qualificados do sistema desportivo nacional.

Pudéssemos todos nós dizer o mesmo de todas as instituições no âmbito do desporto e dos recursos humanos que as gerem e que muitas vezes o podem influenciar de acordo com os seus interesses pessoais ou corporativos.

Voltamos a afirmar: Quem determina a estratégia de combate à dopagem em Portugal, é a ADoP, de acordo com as normas da Agência Mundial Anti Dopagem.

A ADoP não se arvora em putativa consciência do sistema desportivo português e não se intromete por respeito institucional, nas áreas de outros agentes desportivos. Não porque sejamos acríticos ou porque não tenhamos opinião, mas porque não temos essa função, mas também não admitimos que quem igualmente a não possui, frequentemente se considere como superior e sem mácula e como padrão daquilo que deve ser o comportamento entre instituições, nomeadamente de natureza desportiva. Respeito institucional é o que oferecemos e o que exigimos.

Esta situação da retirada de acreditação ao Laboratório de Análises de Dopagem (LAD) não deve ser desvalorizada. Mas também não é honesto que seja ultra considerada. Soubemos esta informação triste no dia 25 de outubro e não antes como eventualmente alguns, através dos corredores da intriga e maledicência. Somos completamente adeptos da responsabilidade; mas também da responsabilização daqueles que nos corredores da escuridão e da intriga, possam fazer o contrário daquilo que dizem.

Nos dois últimos anos, os resultados da ADoP foram os melhores de sempre, como mais uma vez se refere possíveis de ser consultados no site da Agência Mundial Antidopagem. E foram-conseguidos com o Laboratório suspenso. Com muito trabalho, mas com o Laboratório suspenso.

Isto quer dizer que os portugueses podem estar descansados, porque o combate à dopagem vai continuar com a qualidade com que a Agência Mundial Antidopagem (AMA) nos considera, a nós ADoP.

E sabem porque nos considera desta forma altamente positiva?

Porque para além do que fazemos se enquadrar nos padrões pela AMA definidos, também esta instituição sabe que em Portugal quem determina a nossa estratégia de combate à dopagem é a ADoP, sob as suas orientações e não outras entidades desportivas, sabendo simultaneamente esta Agência Mundial Antidopagem, que em Portugal não se beneficiam interesses corporativos ou individuais nesta luta incessante.

Se assim não fosse, um alto representante da Agência Mundial Antidopagem que connosco esteve no passado dia 26 de outubro, para tratarmos de questões finais relativamente à próxima alteração da Lei Antidopagem, não teria tido a abertura de dizer, como disse abstratamente:  “As autoridades anti dopagem devem ser completamente independentes face a outros interesses de outras entidades desportivas e é muito difícil esta independência.”

Por questões de institucionalidade; hoje; não comentamos este tipo de dificuldade.

Tal como a Agência Mundial Antidopagem sabe como é atualmente a ADoP; sempre; mas sempre; independente de interesses pessoais ou corporativos.

Mais uma vez vos dizemos: estejam descansados os portugueses porque a luta contra a dopagem é o nosso objetivo quer imediato, quer mediato. E é dessa forma que temos alcançado os resultados de que já vos falei. Vejam o site da Agência Mundial Antidopagem!

Atentamente.

O Presidente da ADoP

 Assinatura

 

Todas as notícias